Conheça nosso Grupo De Estudos!



Conspirações Reais ao Longo da História

Introdução


O significado da palavra "conspiração" vem do Latim conspiratio, “acordo, plano”, de conspirare, “concordar, unir, fazer um plano”, literalmente “respirar junto”, de com-, “junto” mais spirare, “respirar”. Gente que planeja ações nefastas, como é o caso aqui, tende a se aproximar para guardar segredo, é como se estivessem respirando o mesmo ar.

As teorias de conspiração nos dizem que um grupo de pessoas – ou organizações – conspirou para manipular um evento ou uma série de eventos, para alcançar os resultados que eles querem – mantendo segredo. É uma tentativa de explicar o que não tem explicação, nisso acabam criando hipóteses sobre determinado assunto e geralmente suas referências vem  de momentos históricos da humanidade.




Também pode se dizer que teoria da conspiração é uma teoria que supõe que um grupo de conspiradores está envolvido num plano e suprimiu a maior parte das provas desse mesmo plano e do seu envolvimento nele. O plano pode ser qualquer coisa, desde a manipulação de governos, economias ou sistemas legais até a ocultação de informações científicas importantes ou assassinato. 

No passado, foram identificadas e provadas várias conspirações, e é natural que todos os dias tenham lugar centenas de conspirações de maior ou menor importância. Por isso, mesmo que não existam provas, qualquer pessoa pode lançar uma teoria que se baseia em fatos que nem ela própria conhece. 

Uma vez demonstrada, uma conspiração deixa de ser uma teoria. Assim, as teorias da conspiração estão necessariamente por confirmar. Muitas vezes, essas teorias são defendidas por pessoas que acreditam em determinadas conclusões que não podem provar e usam pois uma teoria da conspiração para prová-las e explicar porquê não existem provas que as sustentam — segundo eles, os autores da conspiração sempre ocultam as provas. 

Uma teoria da conspiração é precisamente o contrário de uma teoria científica, já que não pode ser refutada: as provas que endossariam as teorias são utilizadas pelos seus defensores para provar que os conspiradores são tão perfeitos a ponto de poder camuflá-las.  Assuntos relacionados com governos, nazistas, religiões (católicos, judeus, budistas), holocaustos, comunistas e extraterrestres podem estar associados e serem utilizados como instrumento para endossar uma boa teoria de conspiração. 
Teorias presentes no imaginário popular, que deram origem aos livros, aos filmes ou aos seriados de televisão, embora muitas vezes com resultados catastróficos (dependendo do modo da divulgação), mostraram-se muito fáceis de aplicação e exploração. 

Conspirações são fatos provados historicamente em seu tempo, podendo também ser manipulados por governos para tentar aniquilar ou acabar com um povo ou uma cultura alegando que ele ou eles estão contra o mundo. 
Será que nós somos paranóicos ou realmente acontecem coisas que não sabemos? Alguns sugerem que nós precisamos de teorias de conspiração para explicar eventos que vão além do nosso controle. 

1º Conspiração de Ramsés III



Muitos são capazes de lembrar de Ramsés III, graças ao famoso episódio da "Conspiração do Harém", em que Tiye, a segunda esposa do faraó , com o auxílio de cúmplices, arquiteta um plano para assassinar o governante. Esta história é conhecida devido a um papiro que narra o julgamento dos traidores, mas que infelizmente não deixa claro se afinal Ramsés III foi morto ou não. O objetivo de Tiye era por no trono seu filho Pentawer, porém a primeira esposa de Ramsés III, Isís, também possuía um filho, o qual era o principal herdeiro do trono.Embora para muitos um harém seja considerado um espaço para o prazer sexual, no Egito esses lugares funcionavam como qualquer outro edifício político, com a diferença de que neles eram realizados parte da educação das princesas e príncipes reais, além de acordos administrativos.

De acordo com os resultados da pesquisa feita na tumba do regente, Ramsés III teria sido atacado por diversos assassinos, tendo seu dedão arrancado por um golpe de machado, além de ter sido degolado. “A forma como os ossos remanescentes do dedo arrancado ficaram indica que uma arma diferente foi usada”, diz Sahar Saleem, radiologista da Universidade de Cairo. Recibo antigo prova que os juros egípcios eram bem piores que os nossos Explore artefatos egípcios em 3D Feto mumificado é encontrado em sarcófago egípcio. Então, deve ter sido um assassino com um machado ou com uma espada. Ele atacou o faraó de frente. Outro, com uma faca ou uma adaga, atacou Ramsés III pelas costas ao mesmo tempo”, detalha o pesquisador. Ao lado de Zahi Hawass, renomado historiador e ex-Ministro de Antiguidades do Egito, Saleem está reunindo evidências para tentar detalhar os momentos finais do faraó. 

Neste ano, os dois lançam o livro “Scanning the Pharaohs”. Além de Ramsés III, a dupla estudou outros faraós que reinaram entre os anos 1543 a.C. e 1064 a.C., como Hatchepsut, Tutmés III, Tutancâmon e Seti I.Crise familiar. Os estudos na tumba do faraó Ramsés III jogaram luz sob as conspirações que envolveram a morte do líder. Um documento encontrado pela dupla, conhecido como Papiro Judicial de Turin, descreve como a Rainha Tiy, uma das esposas do faraó, planejou sua morte para que seu filho Pentawer assumisse o trono. De acordo com a linha sucessória, Ramsés IV, filho do líder egípcio com outra esposa, seria o novo faraó, caso seu pai morresse. Até a revelação feita pelo historiador e pelo radiologista, acreditava-se que Ramsés III havia sido atacado na surdina por assassino. Hoje, sabe-se que houve luta e que foi preciso mais de um mercenário para dar cabo da vida do faraó. “Os embalsamadores que ficaram responsáveis pela mumificação do faraó criaram uma prótese perfeita para o dedo arrancado do líder, dificultando esta descoberta”, explica Saleem.

Ramsés IV assumiu o trono após a morte do pai e destacou uma equipe de 12 juízes para investigar o assassinato que aconteceu dentro do palácio. As investigações da dupla egípcia também mostraram que Pentawer ficou bastante decepcionado por não assumir o trono e tentou fugir de uma possível punição. Segundo a pesquisa, foram encontradas evidências de que Pentawer se enforcou, já que o pescoço de seu corpo mumificado estava com marcas profundas.




2º Conspiração da Pólvora


Guy Fawkes nasceu em 1570 em Stonegate, Iorque. Ele era o segundo de quatro filhos de Edward Fawkes, um procurador e defensor do tribunal consistório em York, e sua esposa, Edith. Os pais de Guy foram comungantes regulares da Igreja da Inglaterra, assim como o seu avós paternos, sua avó, nascida Ellen Harrington, era filha de um comerciante de destaque, que serviu como Lord Mayor de York , em 1536. No entanto, a família da mãe de Guy eram católicos, e seu primo, Richard Carenagem, tornou-se um padre Jesuíta. Guy era um nome incomum na Inglaterra, mas pode ter sido popular em York por conta de um notável família local, Sir Guy Fairfax de Steeton. A data do nascimento de Fawkes é desconhecida, mas ele foi batizado, na igreja de St. Michael le Belfrey em 16 de abril. Como a diferença habitual entre o nascimento e batismo era de três dias, ele provavelmente nasceu no dia 13 de abril. Em 1568, Edith tinha dado à luz uma filha, Anne, mas a criança morreu com cerca de sete semanas, em novembro daquele ano. Ela deu à luz a mais dois filhos após Guy: Anne (nascida em 1572) e Elizabeth (nascida em 1575). Ambos se casaram, em 1599 e 1594, respectivamente. Em 1579, quando Guy tinha oito anos, seu pai morreu. Sua mãe se casou novamente alguns anos mais tarde, na Igreja Católica Dionis Baynbrigge (ou Denis Bainbridge) de Scotton, Harrogate. Fawkes pode ter se tornado católico através da tendências da família Baynbrigge, e também os ramos católicos das famílias dos Scotton, Pulleyn e Percy, mas também de seu tempo em St. Escola de São Pedro, em York. O governador da escola passou cerca de 20 anos na prisão por não-conformidade, e seu diretor, John Pulleyn, veio de uma família de Yorkshire, os Pulleyns de Blubberhouses. 

Em seu trabalho de 1915 Os Pulleynes de Yorkshire, autor Catharine Pullein sugeriu que a educação católica de Fawkes veio de seus parentes Harrington, que eram conhecidos por abrigar os sacerdotes, um dos quais mais tarde acompanhados Fawkes para a Flandres em 1592-1593, colegas de Fawkes incluídos John Wright e seu irmão Christopher ( ambos mais tarde envolvido com Fawkes na Conspiração da Pólvora ) e Oswald Tesimond, Edward Oldcorne e Robert Middleton, que se tornaram sacerdotes (o último executado em 1601). Em outubro 1591 Fawkes vendeu a propriedade em Clifton que tinha herdado de seu pai. Ele viajou para lutar na guerra do lado da Espanha católica contra a nova República Holandesa, a partir de 1595 até a Paz de Vervins em 1598, na França. Embora a Inglaterra não fosse tão engajados em operações terrestres contra a Espanha, os dois países estavam em guerra, e a Armada Espanhola de 1588 tinha apenas cinco anos no passado. Juntou-se Sir William Stanley, um católico Inglês e comandante veterano em meados dos anos cinquenta, que tinha levantado um exército na Irlanda para lutar na expedição de Leicester para a Holanda . Stanley tinha uma certa consideração por Elizabeth I, mas depois de sua rendição de Deventer para os espanhóis em 1587 ele, e a maioria de suas tropas tinham mudado de lado para servir Espanha. Fawkes tornou-se um Alférez oficial ou júnior, lutou bem no siege de Calais em 1596. Naquele ano, ele viajou para a Espanha para buscar apoio para uma rebelião Católica na Inglaterra. Ele aproveitou a ocasião para adotar a versão italiana do seu nome, Guido, e em seu memorando descreveu James I como "herege", que pretende "ter toda a seita papista expulsos da Inglaterra.".  Ele denunciou a Escócia e do Rei favoritos entre os nobres escoceses, escrever "não vai ser possível conciliar estas duas nações, como são, por muito tempo". Apesar de ter sido recebido com educação na  corte de Filipe III foi dispostos a oferecer-lhe "todo o apoio".

Em 1604 Fawkes envolveu-se com um pequeno grupo de Ingleses católicos, liderados por Robert Catesby, que planejava assassinar o rei protestante James e substituí-lo com sua filha, terceiro na linha de sucessão, Princesa Isabel. Fawkes foi descrito pelo padre jesuíta e ex-colega de escola Oswald Tesimond como "agradável de abordagem e alegre de forma, opôs-se a brigas e conflitos leal aos seus amigos. "Tesimond também alegou que Fawkes era "um homem altamente qualificado em assuntos de guerra", e que era a mistura de piedade e profissionalismo que falá-lo para seus colegas conspiradores. O autor Antonia Fraser Fawkes descreve como "um homem alto, corpulento homem, com cabelo grosso marrom-avermelhada, um bigode fluindo na tradição da época, e uma barba espessa marrom-avermelhada ", e que ele era" um homem de ação capaz de argumento inteligente, bem como resistência física, tanto para a surpresa de seus inimigos ". Um dos conspiradores, Thomas Percy, foi promovido em junho de 1604, ganhando acesso a uma casa em Londres, que pertencia a John Whynniard, Keeper of Wardrobe do rei. Fawkes foi instalado como um zelador e começou a usar o pseudônimo de John Johnson, servo de Percy. O relato contemporâneo do Ministério Público (retirado da confissão de Thomas Wintour) afirmou que os conspiradores tentaram cavar um túnel debaixo da casa de Whynniard ao Parlamento, embora esta história pode ter sido uma invenção do governo, nenhuma evidência para a existência de um túnel foi apresentado pelo Ministério Público, e nenhum traço jamais foi encontrado; próprio Fawkes não admitir a existência de um tal sistema até seu quinto interrogatório, mas mesmo assim ele não conseguiu localizar o túnel. Se a história é verdadeira, não se sabe, no entanto, em 1604 os conspiradores foram ocupando o lugar a partir de sua casa alugada para a Câmara dos Lordes. Durante o tunelamento, eles ouviram um barulho que chamou atenção.

Fawkes foi enviada para investigar, e voltou com a notícia de que a viúva do inquilino estava limpando o próximo quarto, diretamente abaixo da Câmara dos Lordes. Os plotters comprou o contrato de arrendamento para o quarto, que também pertencia a John Whynniard. Inutilizados e imundo, ele foi considerado um esconderijo ideal para a pólvora que os conspiradores planejavam guardar. De acordo com Fawkes, 20 barris de pólvora foram trazidos em primeiro lugar, seguido por mais em 16 a 20 de julho. Em 28 de julho no entanto, a ameaça sempre presente da peste atrasaram a abertura do Parlamento até Domingo, 5 de Novembro. Em uma tentativa de ganhar apoio estrangeiro, em maio 1605 Fawkes viajou para o exterior e informou Hugh Owen do plano dos conspiradores. É incerto quando Fawkes voltou para a Inglaterra, mas ele estava de volta a Londres no final de agosto de 1605, quando ele e Wintour descobriu que a pólvora armazenada na cripta(quarto) tinha deteriorado. Mais pólvora foi trazido para o quarto, juntamente com lenha para escondê-la. O último papel de Fawkes na trama foi resolvida durante uma série de reuniões, em outubro. Ele era para acender o pavio e, em seguida, fugir através da Tamisa. Simultaneamente, uma revolta em o Midlands iria ajudá-para garantir a captura da Princess Elizabeth. Atos de regicídio foi desaprovado, e Fawkes, portanto, dirigir-se ao continente, onde ele iria explicar às potências católicas seu dever sagrado para matar o rei e sua comitiva. Alguns dos conspiradores estavam preocupados com os companheiros católicos que estaria presente no Parlamento durante a abertura. Na noite de 26 de outubro de Lord Monteagle recebeu uma carta anônima advertindo-o a ficar longe, apesar de rapidamente se tornando conscientes da letra  informada por um dos servos de Monteagle, os conspiradores decidiram continuar com os seus planos, como apareceu que "foi claramente pensado para ser uma brincadeira".

Fawkes verificado a cripta em 30 de outubro, e informou que nada havia sido perturbado. suspeitas de Monteagle tinha sido despertada, no entanto, a carta foi mostrada a rei James. O rei ordenou Sir Thomas Knyvet para realizar uma pesquisa das caves debaixo do Parlamento, o que ele fez na madrugada de 5 de Novembro. Fawkes tinha tomado a sua estação de tarde na noite anterior, armado com um jogo lento e um relógio dado a ele por Percy "becaus ele deveria knowe Howe o tempo foi-se embora". Ele foi encontrado deixando a adega, pouco depois da meia-noite, e preso. No interior, foram descobertos os barris de pólvora escondido sob pilhas de lenha e carvão. Fawkes deu seu nome como John Johnson e foi interrogado pela primeira vez por membros do Privy Câmara do Rei, onde permaneceu desafiador. Quando perguntado por um dos senhores que ele estava fazendo na posse de tanta pólvora, Fawkes respondeu que sua intenção era "acabar com você Scotch mendigos de volta para suas montanhas nativas",as feridas em seu corpo notada por seus interrogadores, ele explicou como os efeitos da pleurisia. Fawkes admitiu sua intenção de explodir a Câmara dos Lordes, e lamentou a sua incapacidade de fazê-lo. Fawkes foi transferido para a Torre de Londres. O Rei compôs uma lista de perguntas a fazer para "Johnson", como " quanto ao que ele é, porque eu nunca pode ainda ouvir de alguém que o conhece "," Quando e onde aprendeu a falar francês? " e "Se ele era um papista, que trouxe em cima dele?". O quarto em que Fawkes foi interrogado posteriormente ficou conhecido como Guy Fawkes Room. A base de muita tortura, sua compostura foi quebrado em algum ponto durante o dia seguinte. Ele começou a revelar seus nomes em 8 de novembro, e contou como tinha a intenção de colocar a princesa Elizabeth no trono.

Sua terceira confissão, em 9 de novembro, implicado Francis Tresham. Seguindo o enredo Ridolfi de 1571 prisioneiros foram feitos para ditar as suas confissões, antes de copiar e assiná-los, se eles ainda podia. A assinatura de Fawkes, pouco mais de um rabisco, dá testemunho do sofrimento que ele sofreu nas mãos de seus interrogadores. O julgamento de oito dos conspiradores começou na segunda-feira 27 janeiro de 1606. Fawkes compartilhou a barca da torre de Westminster Hall, com sete de seus co-conspiradores. O resultado nunca esteve em dúvida. O júri considerou todos os réus culpados, e o Lord Chefe da Justiça Sir John Popham proclamou-los culpados de alta traição. O procurador-geral Sir Edward Coke disse ao tribunal que cada um dos condenados seriam atraídos para trás de sua morte, por um cavalo, com a cabeça perto do chão. Eles estavam a ser "condenados à morte a meio caminho entre o céu e a terra como indigno de ambos".  Seus órgãos genitais seria cortado e queimado diante de seus olhos, e as suas entranhas e o coração retirado. Em seguida, serão decapitados, e as partes desmembradas de seu corpo exibido para que eles possam tornar-se "presa para as aves do céu". Em 31 de janeiro de 1606, Fawkes e outros três, Thomas Wintour, Ambrose Rookwood e Robert Keyes  foram arrastados da Torre em Wattled obstáculos à jarda Antigo Palácio de Westminster, em frente ao prédio que havia tentado destruir. Seus colegas conspiradores foram enforcados e esquartejados . Fawkes foi o último a ficar sobre o cadafalso.
Ele pediu perdão do rei e do Estado, mantendo-se suas "cruzes e cerimônias ociosas", e auxiliado pelo carrasco começou a subir a escada para a forca. Embora enfraquecido pela tortura, Fawkes conseguiu saltar da forca, quebrando o pescoço na queda, evitando assim a agonia da última parte de sua execução. Seu corpo sem vida foi esquartejado, no entanto, e, como foi o costume, partes de seu corpo foram então distribuídos aos "quatro cantos do reino", a ser exibida como um aviso para outros possíveis traidores. 


3º Illuminati


Adam Weishaupt provavelmente não tinha noção de que o grupo que ele estava criando naquela madrugada de 1º de maio de 1776 se tornaria um dos mais conhecidos do mundo. A ideia do professor de direito da Universidade de Ingolstad, na Alemanha, era fundar uma sociedade secreta composta por membros da elite com o objetivo de discutir e promover os dogmas do Iluminismo, corrente de pensamento pautada pela razão. Weishaupt esperava que, por meio de encontros, os membros dos Illuminati pudessem dialogar e se juntar a ponto de se tornarem influentes em decisões políticas do país. Essa formação original durou nove anos e teve poucos membros. Em seus momentos de ápice, os Illuminati chegaram a ter no máximo 2500 pessoas, mais uma das muitas evidências que mostram que a lenda sobre a organização faz ela parecer muito maior do que foi de fato. É sobre essa lenda que vamos falar hoje. Duzentos e quarenta anos se passaram desde a criação do grupo e ainda assim, os Illuminati continuam despertando a curiosidade do público e instigando a criação de diversos tipos de teoria da conspiração. 

A seguir, separamos alguns fatos que podem ajudar a explicar o motivo de tanto alvoroço – ou te deixar ainda mais curioso sobre a sociedade secreta:  Os Illuminati tinham uma hierarquia estruturada. Os iniciantes eram chamados de noviços, em seguida, passavam a ser "minervos" e, depois, chegavam ao status de "minervos iluminados". Chris Hodapp, coautor do livro Conspiracy Theories and Secret Societies for Dummies, afirmou em entrevista ao Vox que por muito tempo o grupo não aceitava membros com mais de 30 anos por acreditar que eles tinham crenças velhas demais. O grupo possuía ainda uma série de símbolos, sendo os mais conhecidos deles o triângulo e a coruja. Além disso, há alguns relatos que mostram que os membros da ordem eram um tanto quanto paranoicos e usavam protocolos parecidos com os utilizados por espiões para não terem suas identidades reveladas para as pessoas de fora da sociedade secreta.  

Como foi explicado acima, existiram relativamente poucos membros do Illuminati para que eles de fato se tornassem influentes ao redor do mundo. Mas quando o grupo foi extinto em 1785, com o decreto de Karl Theodor, duque da Bavária, que proibia a existência de sociedades secretas, várias teorias conspiratórias começaram a surgir. Foi a partir delas que a "lenda" se manteve viva ao longo de todos esses anos. Existem teorias sobre a participação dos Illuminati em tudo quanto é tipo de grande evento político ou cultural – dos atentados de 11 de setembro até a morte de Michael Jackson. A primeira hipótese de que se tem notícia surgiu poucos anos após o fim da formação original da sociedade secreta. Em 1797, o físico John Robison acusou o grupo de terem se infiltrado na maçonaria, enquanto Abbe Augustin Barruel formulou uma teoria na qual afirmava que os jacobinos promoveram sociedades secretas, sendo uma delas os Illuminati. Com isso, o grupo teria sido responsável pela Revolução Francesa. Em entrevista à BBC, Jesse Walker, autor do livro The United States of Paranoia, explicou o fascínio da sociedade com teorias da conspiração. "Elas são parte intrínseca da psique humana. Somos criaturas que buscam padrões para dar um sentido ao mundo que nos cerca. 

Se há lacunas em uma história, temos que buscar explicações", afirmou.  Vira e mexe os Illuminati são relembrados, principalmente pelo suposto envolvimento de celebridades na sociedade secreta. Isso não se restringe somente à figuras antigas, como Thomas Jefferson, mas artistas contemporâneos, como Beyoncé, Lady Gaga e até mesmo o papa Francisco. Para Mark Fenster, professor da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, um dos motivos dessa relação feita estabelecida entre celebridades e os Illuminati é que colocá-los no grupo é como colocá-los em um pedestal. "É como se Jay-Z e Beyoncé vivessem em um universo diferente do nosso", explica. "Eles possuem vidas secretas e acessos secretos. Percebemos o quão bizarras são suas vidas e a quantidade de poder que possuem." 


4º Operação Paperclip


Meses antes  do fim da II Guerra Mundial, ofíciais e o serviço de inteligência americanos receberam a ordem de que capturassem cientistas alemães e cientistas filiados ao partido nazista, e de trazer todos os seus experimentos e projetos para os Estados Unidos. Depois que a Segunda Guerra acabou, foi uma corrida entre EUA e URSS para que capturassem o número máximo de cientistas e projetos de pesquisas.
A operação americana de captura ficou conhecida como "Operação PaperClip", já a operação soviética ficou conhecida como "Operação Osoaviakhim".
O objetivo americano se concretizou, muito mais de 1500 cientistas alemães foram enviados para os Estados Unidos juntos de suas famílias, onde receberiam novas identidades.

A operação paperclip foi uma operação secreta, e teve grande êxito trazendo para os Estados Unidos os principais cientistas na área de estudo de mísseis, foguetes, armas nucleares, armas biológicas e de estudo da mente.
Um dos maiores feitos com a vinda dos cientistas alemães como Wernher von Braun, especialista em foguetes, foi avançar em pesquisas e enviar o primeiro satélite americano ao espaço, e também esteve à frente da corrida espacial, na Apolo 11, levando o homem até a lua.

O motivo por trás da criação da "Operação Paperclip" era uma suspeita levantada pela segurança e documentos de lideranças americanas militares - que os EUA e a União Soviética poderiam entrar em  uma "guerra total", em 1952, uma guerra que vai incluir o uso de armas nucleares, armas químicas e biológicas. Por essa razão, os americanos decidiram usar todos os meios à sua disposição, incluindo os melhores cientistas de Adolf Hitler e a guerra química que, eles desenvolveram sob o Terceiro Reich, incluindo o gás sarin e armas biológicas. Outro lado da operação paperclip foi o estudo sobre controle cerebral, com cobaias humanas e estudos com drogas como LSD.


5º MK ULTRA


MK-ULTRA foi o nome de código dado a um programa ilegal e clandestino de experiências em seres humanos, feito pela CIA – o Serviço de Inteligência dos Estados Unidos da América. As experiências em seres humanos visavam identificar e desenvolver drogas e procedimentos a serem usados em interrogatórios e tortura, visando debilitar o indivíduo para forçar confissões por meio de controle de mente.
As experiências do MK-ULTRA têm relação com o desenvolvimento de técnicas de tortura contidas nos Manuais KUBARK divulgadas também pelos treinamentos da Escola das Américas, gerenciados pela CIA.

A programação mental do Projeto Monarch é um método de controle da mente utilizado por numerosas organizações para fins secretos e obscuros. 
Ele é uma continuação do projeto MK-ULTRA, um programa de controle da mente desenvolvido pela C.I.A., e testado em militares e civis. Os métodos são incrivelmente sádicos (todo o seu propósito é traumatizar a vítima) e os resultados esperados são horríveis: A criação de um escravo com a mente controlada que pode ser acionado a qualquer momento para executar qualquer ação exigida pelo seu manipulador.

O USO DE DROGAS COMO FORMA DE CONTROLE CEREBRAL:
O LSD, UMA ARMA DE GUERRA PSICOLÓGICA

Em 1949, os cientistas da Paperclip baseados em Edgewood viram ser-lhes confiada uma nova missão: testar um psicotrópico surpreendente, que provocava alucinações e tendências para o suicídio nos seres humanos. Tratava-se do LSD, descoberto alguns anos antes por outro Hoffmann, Albert desta vez, nos laboratórios Sandoz de Basileia, na Suíçã. A sua utilização devia ser de acordo com o seu principal promotor L. Wilson Greene, tornar possível uma guerra mais humana.
As várias drogas utilizadas, todas do tipo drogas psicoativas, incluiram Mescalina, LSD e outras. Cientistas dos Estados Unidos trabalharam ao lado de cientistas de Hitler na base Pensilvânia no desenvolvimento de um tipo de alucinógeno, que se tornaria uma arma potencial, empregados para fazer os soldados inimigos no campo de batalha perderem o controle sem ter que matá-los.

Mas a CIA logo mostrou interesse em usar o LSD fora do campo de batalha.
 Na época, os americanos estavam examinando opções de manipulação da mente usando drogas, hipnose e choque elétrico, em uma tentativa de combinar técnicas soviéticas semelhantes de interrogatório. Os norte-americanos perceberam que o LSD permite uma melhor compreensão das mudanças no comportamento humano, bem como para a realização de manipulação cognitiva para controlar a mente das pessoas. Antes de serem enviados para os Estados Unidos, os cientistas nazistas com a ajuda dos relatórios sobre as experiências efetuadas nos campos de concentração e de cobaias humanas escolhidas entre soldados da própria base, voluntários mas pouco informados sobre a realidade das experiências, tentou determinar quais os efeitos que estes gases produziam sobre o organismo humano. 

O protocolo experimental foi sumário: uma vasta sala foi arranjada como câmaras de gás lá se colocaram animais e soldados a quem se pediu para tirarem a sua máscara de gás e respirarem doses de veneno até que não o suportassem mais. O objetivo era com efeito de determinar se se podia recorrer ao uso do LSD e a outras seis dezenas de outros psicotrópicos para efetuar uma guerra “psicoquímica” destinada a enfraquecer a população e as tropas inimigas. Mas progressivamente, com a subida em potência da Guerra Fria e a multiplicação das operações de contra-insurreição, a CIA açambarcou o projeto e focalizou-o na condução dos interrogatórios e nos meios para quebrar a resistência psicológica do interrogado, para provocar dissociações psicológicas e estados de amnésia.

Deram-se igualmente importantes doses de LSD a soldados-cobaia de Edgewood antes de submetê-los a interrogatórios agressivos que provocaram neles estados de medo intenso, ou mesmo em certos casos convulsões, epilepsia ou crises de paranóia agudas que lhes deixaram numerosas sequelas.  As investigações sobre a amnésia, quanto a elas, conduziram à utilização do Sernyl (SNA), conhecido igualmente sob o nome de PCP ou “pó de anjo”, que se administrava por via oral ou em aerossol a soldados enquanto marchavam sobre um tapete rolante. Acessos de loucura intensa, de amnésia total e outros comas foram observados nos laboratórios de Edgewood. No entanto, o âmbito do MK-ULTRA, contudo, não param por ai.

Experiências envolvendo eletrochoques violentos, tortura física e mental e abuso foram usados em uma base sistemática sobre muitos assuntos, incluindo crianças. O MK-ULTRA foi trazido à luz por várias comissões na década de 1970, incluindo a Comissão Rockefeller de 1975. Embora se afirme que a CIA abandonou tais experiências depois destas comissões, alguns delatores têm vindo sucessivamente afirmar que o projeto simplesmente foi  para o “subterrâneo” e o Projeto Monarch de programação mental tornou-se o sucessor do secreto MK-ULTRA.


6º Operação Mockingbird


GA Operação Mockingbird foi uma operação secreta dos Estados Unidos, através da CIA, para influenciar a mídia. A operação foi iniciada em 1950, inicialmente organizada por Cord Meyer e Allen W. Dulles, e mais tarde foi liderada por Frank Wisner após Dulles tornar-se o chefe da CIA. A organização recrutou jornalistas americanos numa rede para ajudar a apresentar pontos de vista da CIA, financiado organizações estudantis, culturais e revistas, sendo que é uma constante até os dias até os anos 10 do século 21. A operação também trabalhou para influenciar a mídia estrangeira em campanhas políticas, além de outras atividades de diversas unidades operacionais da CIA.Um dos programas mais ambiciosos já lançados pela CIA foi a operação Mockingbird, um projeto de propaganda que foi implementado no início dos anos 1950. 

Foi uma grande empreitada que uniu uma considerável quantidade de agentes da CIA e 3.000 colaboradores na tentativa de ganhar algum controle sobre a imprensa livre, alimentando alguns grupos de repórteres com informações, tanto em jornais nacionais quanto no exterior para filtrar todos tipos de histórias que iriam para o público. No seu auge, o programa incluía escritores para o New York Times, Newsweek, Time Magazine e entre as suas fileiras, e foi dito ter uma influência significativa sobre cerca de 25 jornais de grande circulação. O programa teve um grande impacto no exterior, bem como teve uma função importante, ajudando a influenciar a opinião pública na corrida para a eventual derrubada do presidente esquerdista da Guatemala. 

A operação Mockingbird continuou a ter um grande efeito na mídia mundial ao longo dos anos 50, e foi até os anos 60 quando uma série de relatos de jornalistas investigativos do programa trouxeram à luz. Essa operação, que já dispôs de outros nomes, não foi encerrada, tendo em foco que apenas trocou de nome pela exposição. Pode ainda estar em ação, quem dúvida disso? Sua base é a implementada na Psicologia das Massas (em uma linguagem bastante vaga, estuda entre dezenas de características do comportamento humano e o potencial que este tem de se tornar um “maria-vai-com-as-outras”) e pretende manter a população sob controle, influenciando sua opinião. O que me faz pensar: Tantas redes sociais …quantas delas tem a mão invisível da CIA manipulando? Melhor, vocês viram o que o Wikileaks andou revelando sobre William Waack e o tal controle das webcam’s dos smartphones e computadores? Pois dê uma conferidinha e vai perceber que existe uma certa semelhança com o essa operação.


7º John Kennedy


A morte de John Kennedy envolve muitos mistérios, pois há muitos fatos ligados a morte dele e de mortes que se sucederam como a de seu irmão Robert F. Kennedy e Martin Luther King Jr. A morte trágica de John F. Kennedy, no dia 22 de novembro de 1963 causada por um tiro na cabeça e um no pescoço, que aniquilaram não somente o líder norte-americano, mas também os sonhos da população dos Estados Unidos naquela época. Tudo ocorreu em Dallas no Texas. Havia se passado 1 ano após a crise dos mísseis em Cuba, onde os EUA estavam em uma iminente ameaça de Guerra Nuclear contra URSS, porém tudo se solucionou com J.F Kennedy propor retirar suas ogivas nucleares da Turquia e não atacar Cuba, se a URSS retirasse os então mísseis instalados em Cuba.

As conclusões oficiais, teria acusado Lee Harvey Oswald em uma ação solitária.  Apesar da acusação, Oswald negou qualquer responsabilidade pelo crime e, dois dias depois da morte de Kennedy, o próprio suposto assassino foi morto a tiros (com várias testemunhas) por Jack Ruby. Teria sido queima de arquivo antes que ele abrisse o bico para falar realmente por qual razão matou o presidente dos Estados Unidos?  Lee Harvey Oswald era um americano que trabalhou no Corpo de Fuzileiros dos Estados Unidos como operador de radar, porém decidiu se mudar para a URSS onde se casou. Oswald se casou com uma soviética durante a sua jornada naquele território e, supostamente, teria também contatos com diplomatas de lá. 

Entretanto, tanto a Comissão Warren quanto o Comitê da Câmara sobre Assassinatos encontraram poucas evidências para apoiar a teoria, mas um ex-agente da KGB, Ion Mihai Pacepa, surgiu alguns anos mais tarde para afirmar que Oswald era um agente da KGB “programado” para matar o presidente Kennedy.

Outra teoria sugere que Oswald era um funcionário da CIA, e os agentes teriam adulterado seu arquivo do FBI antes e após a investigação do assassinato para fazer parecer que ele era um comunista envolvido com a União Soviética. Em 1978, o Comitê Seleto da Câmara sobre Assassinatos relatou que não havia nenhuma prova de que Oswald tinha algum contato com a agência. Além das teorias acima, outra sugere que JFK foi morto por mostrar muito interesse em "atividades alienígenas" no país. Há duas peças cruciais de evidências que apoiam isso. A primeira seria uma carta escrita por Kennedy para a CIA na qual ele pede para ver os arquivos secretos sobre OVNIs. A segunda é uma nota de um funcionário da CIA, dizendo que eles não poderiam permitir que o presidente visse os materiais, outra teoria seria que ele teria sido morto a mando da máfia. 

Supostamente porque seu irmão, Robert, estava acabando com a festa do crime organizado. Robert era o procurador-geral dos EUA na época e sua "cruzada anti máfia" conduziu a um aumento acentuado no número de processos dos bandidos figurões.
Alguns dizem que a morte de Kennedy foi a mando do socialista Fidel Castro. E por último seria os poderosos, os banqueiros os que controlam o mundo, conhecidos como Illuminatis, um dos motivos seria que Kennedy iria revelar muitos segredos então ocultos que poderia chocar o mundo inteiro, um deles seria a existência de ONVI, os atos secretos da CIA, NSA e FBI, ou os poderes de organizações secretas, outra seria a favor do fim de armas nucleares e algumas políticas contra os interesses de Israel, cujo motivo seria insistência de JFK na necessidade de que Isreal permitisse que cientistas estadunidenses inspecionassem periodicamente a então recém-construída central nuclear de Dimona, no deserto de Neguev, obra realizada pela França.

(...) A palavra "segredo" é repugnante numa sociedade aberta e livre, e nós como povo somos intrinsecamente e historicamente contra as sociedades secretas, juramentos secretos e procedimentos secretos. Decidimos há muito que os perigos do excessivo e injustificado encobrimento de fatos relevantes é mais grave do que os perigos que são citados para o justificar.

(...) Porque estamos confrontados em todo o mundo por uma conspiração monolítica e cruel que se apoia principalmente em acções encobertas para expandir a sua esfera de influência, em infiltração em vez de invasão, em subversão em vez de eleições, em intimidação em vez da livre escolha, em guerrilha a coberto da noite em vez de exércitos à luz do dia.

(...) Os seus planos são ocultos, não anunciados. Os seus erros são encobertos e não tornados públicos. Os seus dissidentes são silenciados e não elogiados. Nenhum gasto é questionado, nenhum rumor é publicado, nenhum segredo é revelado.

FONTES: 

Operação PaperClipe. 

https://thoth3126.com.br/nazismo-operacao-paperclip/ 

http://rampona.blogspot.com.br/2014/11/operacao-paperclip-cientistas-nazistas.html 

http://www.megacurioso.com.br/acontecimentos-historicos/40156-quem-matou-john-f-kennedy-confira-6-teorias-da-conspiracao-mais-populares.htm

http://www.diarioliberdade.org/mundo/reportagens/47291-said-alami-sim-israel-assassinou-john-f-kennedy.html


8º Projeto Manhatan


O Projeto Manhattan foi mais uma das teorias que saíram dos véus da conspiração para alcançarem status de total veracidade. O nome Manhattan foi, na verdade, um código para um projeto realizado durante a II Guerra Mundial que teve o propósito de desenvolver a primeira bomba atômica. O projeto foi liderado pelos EUA, e contou com a participação de Canadá e Inglaterra. Nascido de um pequeno programa de pesquisa em 1939, o Projeto Manhattan empregava mais de 130.000 pessoas e custou quase U$22 bilhões em valor atual. Isso resultou na criação de múltiplos locais de produção e pesquisa que operavam em segredo. Com o total de envolvidos e influenciados, isso faz com que seja uma das maiores conspirações da história.
Segundo projeção dessa teoria conspiratória, cidades inteiras foram construídas por curtos períodos de tempo e usava-se de capital intelectual e mão de obra de inúmeros recrutados, tudo isso sob sigilo nacional. O governo obviamente nunca admitiu, e a mídia idem. Estima-se que o projeto Manhattan de pesquisa ocorreu em mais de 30 locais em todo os EUA, Canadá e Inglaterra.


9º Caso Watergate 


O pontapé inicial da investigação de dois jovens jornalistas do Washington Post, Carl Bermstein e Bob Woodward, a partir da invasão de um escritório do comitê nacional do partido Democrata, que era oposição na época. Em 17 de junho de 1972 - Cinco homens são presos às 2h30 da madrugada quando tentavam grampear os telefones do Comitê Nacional Democrata no complexo de escritórios Watergate, em Washington. A polícia diz que os homens tinham pelo menos dois aparelhos sofisticados de escuta telefônica. Encontrou ainda chaves falsas e pés-de-cabra, além de 2,3 mil dólares em dinheiro, a maior parte em notas de 100 dólares sequenciadas.

A investigação 

A história da invasão intriga dois jovens repórteres da redação do jornal The Washington Post, Carl Bermstein e Bob Woodward. Sua primeira reportagem assinada sobre Watergate é publicada no dia 19 de junho de 1972, e eles continuam fazendo a cobertura do fato nos anos seguintes. Os repórteres persistem. Woodward confia em Mark Felt, funcionário de alto escalão do FBI, como fonte sigilosa.
Com acesso aos relatórios do FBI sobre a investigação acerca da invasão, Felt podia confirmar ou negar o que outras fontes iam contando aos repórteres do Post. Ele também indicava as pistas que eles deviam seguir. Woodward concorda em não revelar a identidade de Felt, referindo-se a ele nas conversações com os colegas como "Garganta Profunda". Sua identidade só seria revelada ao público em 2005, 33 anos mais tarde.

Ação do governo

Outono de 1972 - Richard Nixon consegue facilmente reeleger-se. Em janeiro de 1973, seus ex-assessores Gordon Liddy e James McCord são condenados por formação de quadrilha, arrombamento e instalação de escutas telefônicas sem ordem judicial no incidente de Watergate. Em abril, H.R. Halderman e John Ehrlichman, membros da cúpula de Nixon e o procurador geral Richard Kleindienst se demitem. O assessor jurídico da Casa Branca, John Dean, é demitido. Em maio, o Comitê do Senado para Watergate dá início às audiências transmitidas pela televisão.

Outros momentos cruciais do escândalo:

- Alexander Butterfield, ex-secretário presidencial, revela em seu depoimento que Nixon gravava todas as conversações e chamados telefônicos em seu gabinete desde 1971. Dias mais tarde, Nixon ordena que o sistema de gravações da Casa Branca seja desativado.

- Nixon recusa-se a entregar as gravações. Posteriormente, é descoberto um trecho de 18 minutos e meio de silêncio absoluto em uma das fitas solicitadas pelo tribunal.
- Durante uma sessão de perguntas e respostas na TV, Nixon declara: "Não sou um criminoso", declarando-se inocente.

- Abril de 1974 - A Casa Branca entrega ao Comitê Judiciário da Câmara mais de 1,2 mil páginas de transcrições editadas das fitas de Nixon, mas o comitê insiste em que as fitas sejam entregues.

- 24 de julho de 1974 - A Suprema Corte determina por unanimidade que Nixon entregue as gravações das 64 conversações da Casa Branca.

- 27 de julho de 1974 - O Comitê Judiciário aprova o primeiro de três artigos de impeachment, acusando Nixon de obstrução da Justiça.

Renúncia

8 de agosto de 1974 - Nixon anuncia em um pronunciamento pela televisão que renunciará à presidência no dia seguinte. "Ao fazer isto", afirma, "espero ter apressado o início do processo de cura de que os Estados Unidos necessitam tão desesperadamente".


10º 11 de setembro de 2001


O improvável acontecimento de 2 torres de alto padrão e tamanho nos EUA, ocorreu uma derrubada nos respectivos prédio que segundo arquitetos e engenheiros, as construções de aço do WTC foram desenhadas para resistir a adversidades extremas, inclusive a colisão de Boeings. Mesmo se não aguentassem, deveriam tombar – e não cair em linha reta, quase em queda livre, com uma velocidade impressionante e quase nenhuma resistência. Para especialistas, esse colapso simétrico indicaria demolição controlada. Nos destroços, foram encontradas altas quantidades de enxofre – um possível resquício de termita, composto incendiário de nitrato de bário e enxofre também usado em demolições. Não foram só dois edifícios que caíram naquele 11 de setembro de 2001. O chamado “prédio 7”, de 47 andares, também ruiu, supostamente abalado por destroços. Mas ele desmoronou simétrica e verticalmente em sete segundos, mais de sete horas depois do colapso das Torres Gêmeas. 

E olha só: um seguro feito seis semanas antes dos atentados rendeu US$ 4 bilhões. Para tornar tudo mais suspeito, as evidências forenses coletadas nesse prédio foram enviadas para reciclagem na China. E os sobreviventes que escaparam descendo as escadas relatam terem ouvido estouros dentro dos edifícios, como se fossem explosões secundárias com detonadores. Os relatos não foram incluídos na investigação do governo. A nuvem com 90 mil toneladas de pó que se espalhou na cidade também é suspeita: a queda teria força suficiente para quebrar o concreto, mas não para pulverizá-lo.

O impacto dos aviões provocou incêndios internos. Mas edifícios de aço não são simplesmente destruídos pelo fogo. Em 2005, o Windsor Tower, em Madri (abaixo), virou uma tocha imensa que queimou por 20 horas e, no fim, a estrutura continuou intacta. A temperatura máxima no WTC chegou a 747o C, mas, para derreter certos materiais da construção, como ferro, seria preciso mais de 1500ºC.

Segundo investigações, quatro dos terroristas haviam ido a Las Vegas seis vezes antes dos atentados. Foram vistos em clubes de striptease, com álcool e jogatina – algo que não condiz com fundamentalistas islâmicos dispostos a morrer por sua religião. E o FBI alega que o passaporte de um deles foi localizado nas ruínas do WTC. Ou seja, o fogo destruiu até aço, mas não papel?

Os investidores adquiriram grandes quantidades de ações da United e da American Airlines poucos dias antes. Mas eles contavam com um “seguro” conhecido como “put option”, que permitia que lucrassem mesmo que essas ações caíssem. Com a tragédia, elas caíram, claro. E eles faturaram muito: o put option era 285 vezes maior que a média! Será que tinham informações de antemão?

  George Bush pai e George W. Bush filho, presidente dos EUA na época dos atentados, já trabalharam na Carlyle, uma empresa que aposta forte em armamentos e que faturou com a “guerra ao terror” após os atentados. Sabe quem está entre seus investidores? O clã Bin Laden! Inclusive, naquela manhã de 11 de setembro, Bush pai e Shafiq Bin Laden, meio-irmão de Osama, estavam em uma conferência da Carlyle em um hotel em Washington, DC. A relação entre as famílias é antiga: Bush já encontrou os Bin Laden em várias oportunidades no passado.
  
Investigação oficial refuta teorias conspiratórias

– Segundo o 9/11 Commission Report, o dossiê oficial e final do governo norte-americano, os ataques foram arquitetados estrategicamente por terroristas. O comitê revisou mais de 2,5 milhões de páginas de documentos e entrevistou mais de 1,2 mil pessoas em dez países.
– O FBI identificou os 19 terroristas da Al Qaeda. Um dos sequestradores, Mohamed Atta, inclusive conversou com a torre de tráfego aéreo após sequestrar o avião.
– Os aviões provocaram impactos consideráveis nas torres, iniciando incêndios internos que enfraqueceram as vigas de aço.
– O Nist, instituto de tecnologia responsável pelas investigações, afirma que o aço atingiu 1.000 oC e assim amoleceu, tendo sua resistência reduzida a apenas 10% de sua capacidade inicial. Por isso os andares desabaram um a um.

11º Área 51


A área restrita no deserto de Nevada, EUA, é um dos locais de testes militares mais bem protegidos do planeta. Cercas, arames e placas de sinalização alertam os transeuntes de que, a partir de determinado ponto, é expressamente proibido passar. Talvez por isso, ou pelos constantes relatos de atividades estranhas na região, a Área 51 tenha se tornado sinônimo de conspiração. Especialmente na década de 1970, surgiram diversos relatos de que os EUA tinham conhecimento e até envolvimento com vida extraterrestre, e haviam muitas provas, forjadas ou não, de que mantinham alienígenas naquele cativeiro. Autópsias secretas, discos voadores e testes bizarros supostamente foram realizados na Área 51.
Desde a origem da conspiração envolvendo a Área 51 até hoje, os EUA usam a área estrategicamente para desenvolver aeronaves modernas, sistemas de armamento avançados, bombardeiros e aviões evoluídos, porém, o governo americano classifica os detalhes da Área 51 como sigilosos, para fins de segurança nacional. Ou seja, informações certas sobre o local são exclusivamente internas e não compartilháveis.

Site: Laparola