Conheça nosso Grupo De Estudos!



Transtornos Mentais - Parte I


É praticamente impossível nos dias de hoje, alguém não conhecer uma pessoa que não sofra de algum transtorno psicológico. Ansiedade, depressão, síndrome do pânico são os mais frequentes e praticamente acabam com a vida dos que sofrem desses males. O problema é que muitas vezes, as doenças não são entendidas pela população em geral e soa como “frescura”. Eu mesmo, na época em que estava em tratamento inicial contra ansiedade cheguei a ser demitido de dois empregos, pelo fato do remédio ser tão forte que eu dormia em horário de trabalho.


Depressão

A depressão, por exemplo. Muitos leigos acreditam que ela é caracterizada apenas como uma “tristeza profunda”. Eu poderia chamar de “tristeza permanente”. Há diversos sintomas da depressão que muitas vezes não falamos:
Fraqueza, Irritabilidade, Angústia, Ansiedade
Desânimo, cansaço fácil
Diminuição ou incapacidade de sentir alegria por coisas anteriormente consideradas agradáveis
Desinteresse, falta de motivação, apatia
Pessimismo, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte
A pessoa pode desejar morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio
O suicídio é apenas um dos sintomas da depressão e não é geral, nem todos que possuem depressão desejam se suicidar. Vale a pena notar uma coisa, às vezes a depressão pode ser causada por um problema físico e não um fato ou algo que tenha acometido seu psicológico.
Por exemplo, falta de Vitamina D pode aumentar o nível depressivo de uma pessoa. Assim como a falta de algumas vitaminas podem causar depressão. Essa depressão física pode ser resolvida com o suplemento das vitaminas ou minerais ausentes, mas a depressão psicológica só com remédios e terapia, infelizmente.


Ansiedade (Transtorno de Ansiedade Generalizada)

A ansiedade é complexa para leigos. Muitas vezes quando uma pessoa diz que sofre de ansiedade, a outra pessoa provavelmente vai sugerir algum chá de camomila ou relaxar no parque.
O problema é que a ansiedade que estamos lidando é uma ansiedade doentia. Não é aquela ansiedade que te protege dos perigos da vida ou que dá antes de certas situações.
Na verdade, chamamos de ansiedade, mas o nome da doença é um pouco maior: Transtorno de Ansiedade Generalizada, conhecida também como TAG.
A pessoa que está escrevendo este post, também conhecida como “eu”, já chegou a ir para a emergência cardiológica umas sete vezes na mesma semana. A sensação era a mesma: estou tendo um ataque cardíaco. As mãos ficavam dormentes, começava a subir um calor, depois calafrios, vontade de desmaiar, etc. Todos os médicos me diagnosticaram com o mesmo resultado: nada. A sugestão de um desses médicos foi o que me fez querer ir para o psiquiatra: você não tem absolutamente nada no coração, procure um psiquiatra... (ele não foi tão ríspido assim).
Eu até poderia listar o sintomas da ansiedade, mas acredite... são tantos que eu teria que fazer um post só para listar os sintomas. Esse site aqui fala um pouco dos principais sintomas  e esse outro mostra mais de 100 (!!!) sintomas de ansiedade .
Em tempo: a pessoa que sofre de ansiedade pode vir a desenvolver outros sintomas reais. No meu caso, sou um belo “portador” de gastrite, esofagite e duodenite. A dica é simples: aprenda a controlar seu cérebro, antes que ele afete seu físico. É uma dica que dou, mas é difícil seguir...


Síndrome do Pânico

A síndrome do pânico é tão comum quanto as outras. O problema é que muitas vezes as pessoas que sofrem de pânico são taxadas como portadoras de “frescura”. Não é. Conheço casos, por exemplo, de pessoas que evitam sair de casa com medo de ter ataque de pânico na rua. Conheço pessoas que estão em casa faz mais de mês, e não pisam para o lado de fora com medo de ter um ataque e morrer.
Em tempo: não morre. Mas a sensação é horrível. Eu já tive alguns episódios de pânico. O meu último episódio foi no local mais agradável que você imaginaria: na Campus Party. Imagina você ficar num local com mais de 3.000 pessoas e do nada você surtar! Bem-vindo ao clube!! Fui para o posto médico, a enfermeira aplicou um remédio (que não era ansiolítico), eu dormi durante 36 horas. Nos dias seguintes, cheguei a ter alguns episódios mas eu mantive o pensamento constante de que: “era tudo psicológico”. E eu consegui enfrentar sem muitos problemas. Mas não é assim para a maioria das pessoas.
O sentimento é tão real, mas tão real, que você já começa a pensar em qual caixão você vai comprar, onde você vai ser enterrado, o padre (se você for religioso) que vai rezar a missa, onde será sua missa de 7º dia, etc.


Tratamento

Eu achei a imagem acima maravilhosa para falar sobre o tratamento. Há várias formas de tratar os principais transtornos. As principais são:
Medicamentos (algumas pessoas conseguem se livrar deles em pouco tempo ou nem usar);
Psicoterapia (é importantíssimo e é isso que é retratado na imagem acima);
Meditação (não importa sua religião, a meditação é comprovada cientificamente como forma de reduzir os sintomas dos principais transtornos);
Yoga (também é comprovada cientificamente);
Exercícios Físicos (ajudam na liberação dos hormônios do prazer e da felicidade).
Esses são as principais formas de tratamento para os transtornos que comentei acima. Há pessoas que conseguem melhorar com outras coisas, como a fé. Mas isso não funciona para todos, afinal, nem todo mundo é religioso ou crente em algo. Para mim, uma coisa que ajudou numa fase da minha vida foi a ajuda de um amigo (que inclusive faz parte da Lacking Faces) que me indicou livros de filosofia (Sêneca, Epiteto e Epicuro) para ler.

A Principal Verdade

É que você não precisa enfrentar tudo isso sozinho. Há grupos, até mesmo no Facebook, de pessoas que sofrem dos mesmos transtornos. Lá você pode desabafar, conversar com outras pessoas que possuem os mesmos transtornos que você e até mesmo se encontrar com pessoas do seu estado.
Muitas pessoas ainda consideram transtornos mentais como sintoma de “loucura” e, na verdade, esse é um dos sintomas que mais afeta a pessoa que sofre com determinada doença. Ela acredita que está prestes à ficar louca. Esse sintoma eu já consegui remover da minha lista, por que eu já aceitei que todos somos um pouco loucos. Sempre vai haver alguém na medicina ou na psiquiatria querendo colocar teu comportamento como um novo transtorno.

Próximos Posts

Em outros artigos irei abordar mais sobre outros transtornos, sintomas, tratamento, etc. Se você sofre de algum transtorno e deseja compartilhar conosco, sinta-se livre. Acredite, vai ajudar tanto à você quanto pessoas que sofrem com o mesmo problema. ☺